terça-feira, 10 de março de 2015

Diário dos sonhos 021 : A escolha de ser inocente

  Estava jogando um jogo daqueles que são filmes interativos, como Beyond two souls,  Fahrenheit Índigo e etc. Nesse jogo, controlamos um casal que teve a filha sequestrada e tentavam descobrir quem foi. E ainda, eles tinham problemas com infidelidade e isso dava uma tensão  entre eles. A fonte das traições era porque nenhum deles via tesão no outro, enfim.. No começo , você recebe duas ligações. Dessas ligações viriam as escolhas do jogo. Nesse início eram 2 facções rivais desconhecidas. Uma das ligações ofereceria um trabalho de transporte. Bem, iriam ganhar graninha só que não saberiam da filha. A segunda ligação dá a localização da garota, simples assim. O jeito que falavam dava a e entender que eram uma máfia, algo assim. Eu como  player, escolho ir atrás da garota. Afinal, segundo a história dizia que ela era especial.
  Não tinham carro, ai tiveram que roubar um. Ligaram no GPS e foram. A casa do endereço era uma casa pobre. Havia muitos homens lá. Eu não sei como, fiz um casal de classe média alta sem treino algum, derrotar todos. .Enfim.. A garota estava na cama amarrada. O que mais me preocupava era que ela precisava de remédio. Todo dia precisava tomar uns hormônios femininos, sim, ela era trans. Logo a soltaram. Foram frios, não entendi porque. Enquanto ela foi bem legal e simpática. Depois de saírem, eles recebem outra ligação. O pai logo agradece pelo cuidado com a garota. O mafioso ( tinha drogas na casa), disse que ficou encantado com ela. Que a simpatia e brilho dela, o fez desistir de fazer qualquer mal contra ela. Logo ele manda outra localização. Eles vão.
  Era uma farmácia enorme, a garota devia ir só. Ela tinha que tomar a dose hormonal dela. O farmacêutico era um cara muito alto e parecia gostar dela. Mesmo depois de saber que era trans. A kawaiizisse dela era muita. Depois de tomar a dose. Eles conversam, ele revela ser dessa máfia e que ela sagrada . Tipo uma divindade.

  O sonho acaba porque alguns bostas não sabem calar a boca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário