segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Need for speed e pos modernidade

  Lá estavam, todos nós assistindo um filme sobre carros cliche ao máximo....Era no auditorio do curso que faço obrigada e odeio. Foi no dia do estudante, belo dia pra ver um filme ao inves de dar uma folga ne ? Emfim....
  Achei que era velozes e furiosos, só soube que era Need for Speed depois que passaram as letras do titulo. Não foi spoilar tanto, apenas vou fazer um breve resumo...O filme começa numa corrida de rua(acho), com o protagonista, homem viril e machão. Atraente até, porém bobo. Sabe como são esses gostosões, conquistam porque exalam testoterona, pegaria qualquer uma, facil, inclusive eu. Ele tinha uma equipe, que tinha um indiano que manjava de tecnologia, um muslim que era técnico em alguma coisa lá e um negão engraçado( gostava dele). São incomuns, mas mesmo assim cliche. Existem milhares de filmes com personagens secundarios assim.  Antes da corrida, o rival aparece oferecendo uma oferta (contar é spoiler), essa clara rivalidade, alguem pro publico odiar é algo tão comum quanto lua de mel em Paris. Ele era o oposto do heroi, logico ne...Enquanto o vilao era rico, poderoso e buscava sempre poder e queria mais e mais. O heroi era só um mecanico endividado que tinha o lepo lepo. Aaa faltou uma coisa, o irmão da ex do heroi( ex que o rival pega), era o puro jovem inocente homossexual enrustido cristão com cara de Justin Bieber. E acreditava ter visões, mais cristão que isso !!!?!?
  Emfim..Nessa primeira corrida foi tudo bem cliche, porem na ultima e durante o filme se vê bem a proposta pos-moderna. Alta velocidade, curvas perigosas, manobras copiadas de outros filmes, tudo explorando angulos de cameras de alta definição e audio impecavel. As corridas não eram pra ser imprevisiveis, eram pra ser uma experiencia. Outra coisa é que todo mundo era bonito e perfeitamente decente, menos o vilão. Exatamente como acontece na sociedade mesmo, ninguém é feio, errado, deslocado, doente, a não ser, quem detem poder. Repare que raramente falam mal de alguém que não tenha um certo nivel de poder. Pobre Dilminha (taao kawaii).. Além do vilão, apenas uma garota era assim. Loira, rica e hype. "Toda garota quer ser", ela vai "desabrochando".durante o filme e se tornando menos má," assim como toda garota finge ser".
  O filme não é desinteressante por ser assim, ele é uma demonstração bem pura da pós modernidade e tambem das visões futuristas de Marinetti. Só fui entender o que era a pós modernidade por ele. Muita gente saiu meio que dizendo que "era um filme de carro idiota". E era, multiplicado por cem mil e é justamente o que desejam ver. É um filme pra ser visto por muitos, por isso era desse jeito. Outra coisa muito interessante é valorizar a experiencia. Muitas cameras em pontos bem estrategicos e o audio, onde davam a sensação nitida de realmente estar na corrida.
  Um bom filme pós moderno, recomendo assistir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário