sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Clara - Miragem no espelho(2)

  A vida no hospício não é um ruim. Chega a ser agradável e muito melhor do que tempos atrás. E sinceramente, reduto das pessoas mais sensatas que conheci. Minha colega de quarto, por exemplo, via fantasmas e sofria por causa disso. E não era culpa dos fantasmas...Todos a sua volta a tratavam como lixo, a humilhavam e se ferrava bastante por ser negra e...gostosa. Era dopada e abusada por homens de sua família, que inclusive traziam amigos. Até um rapaz pagou pra perder a virgindade com ela. Num belo dia, ela e os fantasmas planejaram uma vingança.....Ela veio nua como se quisesse sexo mesmo, o irmão, como tarado, logo se excitou e tirou o pau. Ela se ajoelha e logo o põe na boca.......Com toda raiva, o morde forte, ele grita, bate  nela..Ela simplesmente continuou e o cortou fora com uma faca. Ele sobreviveu e fez questão de interná-la.

  As pessoas aqui fazem bastante atividade. Alguns pintam, alguns tocam algum instrumento, outros adoram cálculos e inclusive um foi filosofo. Esse cara, é bem intrigante, ele não fala tanto e quando o faz.....As pessoas pedem conselhos, ele dá, às vezes. Segundo ele próprio, um conselho é uma chave pra poucas portas, porém, o forte, não usa portas. Confuso isso, entendo ela. Os fortes, não tem limites, assim não tem problemas com resolver seus problemas, não precisam de tantos conselhos. De qualquer maneira, ele é daqueles que te assombra com o que diz.

  Como é um hospício, temos rotina. Acordamos umas 9 horas, pro café. Almoçamos meio dia. E tomamos o lanche das 18, como ingleses. Não gosto muito de rotina, acho que limita o dia. Prefiro as atividades, já fiz dança, pintura, e agora to na escola de música. Tem um rapaz, sinto algo por ele. Um baixista, irônico não ? Porque baixistas são meio ignorados. Asiático, cabelos longos, com um físico impecável. Um belo homem....Já quase me fez ter varias recaídas, só por ele, ando com minhas pílulas. Tenho um vício de certa forma...

  O doutor fala "Não abuse, são drogas experimentais".

  Tomo igual....

  Lá eu estava numa noite, olhando a lua, cheia...E minha colega, Sofia, chega por trás e diz:

- Como se sente hoje? -diz ela
- Bem, remédios ajudam bastante.-digo
- Soube que um dos efeitos é você se excitar, até se molhar e não sentir nada.
- Se eu não sinto não é problema...

Sentamos na cama..

- Amiga - ela segura minhas mãos - Você é a minha melhor amiga, não quero te perder......Vai que tem uma overdose....morre, me deixa só.....
- Não vou...É seguro também, nessa questão...O doutor disse...Ei - Dou um abraço - Te amo amiga..
-Àaawn...Te amo também, sua fofa. Aaa por que olhava a lua?
- Porque toda lua cheia ele sobe e vai compor algo pra alguém....
- O seu japonês ?
- Não é meu, mas quero muito. Não sei o que ele teve pra ficar aqui...
- Não foi depois da namorada se matar porque queria ver o céu ?
- Já ouvi essa. Existem várias, uma de que ele mesmo tentou, outra dele falar com aliens, e etc e etc.
- Difícil de saber a certa ne. Por que não pergunta?
- Pra ele?
- É
- Ele só fala com o doutor.
- Então fala com o doutor.
- Melhor não..
- Aaaahh tá com medo de fala, haha
- Não é isso...
- É sim

  De repente um barulho de um vidro quebrando..

- O que foi isso ? - digo
- Ouviu também ?
- Algum vidro quebrando. Vamos ver o que é?
- A segurança já vai olhar.
- Só to curiosa.
- Também to haha...Vamos então - ela sorri

  Saímos na calada da noite, a luz do luar que invadia pela janela. Era na farmácia...Tão fácil de saber, pois buscava remédios (dava pra ouvir que era pelos sons) freneticamente.....

  Entramos lentamente e vemos uma enfermeira..Sofia fala:

- Eii, o que faz aqui enfermeira Carla? - disse Sofia
- Nada que precise saber...-responde Carla
- Por que tantas seringas? - pergunto
- Suicídio, suicídio criança.. -Responde Carla
- Mas o que te levaria à esse ponto? - indaga Sofia
- Várias coisas, várias....Minha vida é um erro, poço deles...Odeio à mim, não gosto do que faço, me iludi todos esses tempos justamente com drogas, minha única felicidade...Licença, agora vou me matar.
- Não faça!!- diz Sofia

  Carla usa uma seringa daquelas grandes cheia de morfina da farmácia.....Sorri bastante e morre assim.......

  Todos lá passaram umas semanas de luto, não fizemos homenagens nem nada. Apenas o Sr Vlostik, um veterano da 2 guerra que tinha uma queda por ela. Ficou mal, bastante doente, indo pra uma UTI. Aaa como odiavam judeus juntos...Era de zuera, lógico. Eu ria rs

   Os remédios estão fazendo menos efeito. Sinto que lentamente uma 1 pílula não vem sendo tão eficaz, já umas 4 ou 5 sim e vem me fazendo ver coisas, me excitar como Sofia disse. Quando olho estou toda molhada, uma vez estava indo comer algo e meu short estava molhado...O baixista viu, me olhou diferente.....

- Tudo bem? - pergunta ele
- Ssim - digo, nervosa porque ele falou e comigo
- Vamos pra lavanderia, trocar isso.
- Ok
- Não precisa ficar tímida, sempre gostei muito de você. Adoro como toca guitarra, sua habilidade, lembra uma ninfa.
- Obrigada rsr - Caraca ele gosta de mim....
- Aaa o elevador, damas primeiro.

  Entramos e ele aperta pra cobertura, onde não fica a lavanderia.....
 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário