terça-feira, 17 de junho de 2014

Relato 115

  Não tenho muito o que contar.  A vida segue igual. Meus pais sendo uns FDPs, eu e a minha doença que estraga tudo, lipe sempre comigo, eu não podendo trabalhar graças a um curso forçado que odeio. Vida de merda, que não devia viver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário