terça-feira, 13 de maio de 2014

Relato 110

  Olá infeliz, se chegou até aqui, só pode ser um. Acho que cada letra aqui escrita é um registro. O registro da queda de uma pessoa. De alguém que suportou dores que fariam o próprio Cristo desejar algo pior que a crucificação. Mas isso não importa...Todo dia pra mim é confuso. Acordo e vou pra um curso do qual não gosto, cada momento nele é uma perda de tempo. Passo umas quatro horas lá, que parecem dias, anos...Volto pra casa, também não sei porquê. Não que a minha casa seja um caos, mas que sua paz é sustentada na mentira. Também, não tenho afinidades com nenhum deles. Sinceramente, não sei porque volto. De noite, acontece o mesmo que de manhã, só que o ensino médio é obrigatório. As mesmas tolices do fundamental, tanto no ensino médio, como no Senai. Enfim..
  Eu vejo a cada dia uma derrota. Jogo tempo fora. Cada olhada no espelho é o meu fim. O rosto que nunca quis ser, vive ali e é real....

  Sou doente. Tenho o maldito transtorno bipolar. Não tenho diagnóstico, mas apresento muitos sintomas. Como a mudança de humor sem motivo. Às vezes fico muito bem. Sorrindo, ativa. Isso é bom, porque da felicidade, uma capacidade de ser Deus. Já quando humor muda para o triste. A dor volta, o coração se torna negro, nada importa mais. Isso atrapalha, mesmo tudo estando bem, estou morrendo. Até hoje, dia que faço um ano de namoro.....

Nenhum comentário:

Postar um comentário