terça-feira, 11 de março de 2014

Notas mortas

  Cortes nos braços e uma melodia no ar. Tudo começa a morrer a sua volta..Cada flor do local murcha e morre. Cada ser vivo envelhece, apodrece e morre. A sanidade jogada aos loucos, talvez os menos insanos. O amor morto por um desencanto, os olhares pela cegueira do ciúmes...Você caí, você morre a cada momento, você mente muito...
  A culpa foi sua de estragar sua vida, toda sua, de ninguém mais...Você disse que sabia o que fazer, quando não sabia. Você disse que foi culpa dos seres divinos e mitológicos, e pior, você acreditou na sua mentira...Mas esqueça, esqueça de tudo...Apenas sinta suas últimas batidas do qual nunca ligou, respire pela última vez o ar que você sempre trocava por pó ou uma última tragada...sinta, você nunca teve nada de valor, além disso...Você jogou fora....
  Aos poucos a melodia some, e você ouve aquele SOL, o último acorde da música, que caiu incrível naquele momento, foi como se aquela música tivesse sido escrita para esse momento...

Nenhum comentário:

Postar um comentário