sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Jogos violentos e o poder que corrompe

  Hoje a principal discussão sobre os games é a de que eles influenciam as pessoas que jogam a fazer o que é feito no game. É na verdade um discussão bem antiga, já tinha sido feita quando lançaram o Postal2, Carnageddon(algo assim), a série GTA, e muitos outros. Esse papo só convence os pais bobos que acreditam na tv. Isso apenas serve para ganhar audiência, nada mais. É um argumento facilmente desmontado quando falamos do número de jogadores e dos casos em que alguém "se inspira no jogo".  O Assassins Creed III vendeu mais de 12 milhões de cópias e por acaso há filhos matando os pais em massa ? Não. Parece um argumento tosco, vamos considerar o mesmo quando falamos de religião. Hoje há guerras no Oriente Médio por elas, massacres no passado e isso até os dias de hoje, onde jovens se organizam para bater "nos impuros" , "nos do demônio", e etc. Ou seja, a religião influência mais que os jogos. Na minha opinião é mais saudável o jogo. Nesses exemplos há uma coisa em comum : o poder de escolha. Sim, você escolhe se quer ir fazer um ataque terrorista por seu deus ou ainda se quer fazer igual no jogo. É uma escolha. Mesmo a religião sendo forçada, pode-se mentir a fé, para evitar ser queimado,  e não pode mentir sobre suas escolhas.
   Enfim, eu acho que os jogos mostram algo nas pessoas que muitas vezes tem medo de monstrar. Esses jogos violentos, existe sim a escolha de não ser sádico. No GTA San Andreas ninguém é obrigado a matar policiais. A todo tempo você está no papel de um cara de baixa-renda que sobrevive roubando, esse é o pequeno drama do jogo. Criam uma gangue de família para isso, tanto que não gostam quando há traficantes nas vizinhanças. Num ponto do jogo Sweet até diz que roubava para comprar remédios para sua mãe doente. E metade do jogo o Carl (personagem principal) entra em esforços para libertar seu irmão da cadeia de uma armação feita entre policiais e bandidos. Não quero mais dar spoiler. Na minha opinião essa persistência dele, mesmo quando o irmão desacreditava na liberdade dele, demonstra coragem, teimosia e esperança na mudança. Claro, tudo é feito por meios ilícitos, porque você é pobre e blablabla. Acho isso bobo na história toda. Só pra te consolar, se fizer todas as missões corretamente, você só mata bandidos. O que for fora disso, de propósito, pode ser sadismo seu. Você tem o poder e o usa dessa maneira. Não estou dizendo para não fazer, mas isso isso pode ser uma amostra da sua relação com o poder.
   Postal2, considerado por muitos como o jogo mais violento do mundo. Pode-se usar variadas armas para matar, desde tesouras até bazookas (tá escrito errado, prefiro assim ) . Só que de novo, há o poder de escolha, no jogo são dois : Ser mau ou ser bom. No jogo você é Postal Dude, um homem comum que foi traído pela esposa e vive num mundo em crise. Onde o simples ato de comprar leite pode ser perigoso. O que eu acho legal desse jogo são as diversas piadas que há nele. Quem tem uma noção de inglês já pode ter boas risadas. Apesar de não ter gráficos incríveis, o jogo é muito criativo quando, por exemplo, as coisas que os outros personagens fazem. Jogue para ver essas loucuras, ou procure por vídeos dele. Como eu dizia, esses jogos de dão a escolha de ser o que você quer. Dão armas nas suas mãos para mostrar quem você é, o que faria com elas . Na minha opinião, melhor isso num jogo virtual do que nas mãos de uma pessoa na vida real.

vendas assassins creed 3 : outerspace.terra.com.br/index.php?dir=noticias&arquivo=viewer&cod_noticia=30294&noticia=vendas_de_assassins_creed_3_chegam_a_125_milhoes

(Ps : Provavelmente a notícia está desatualizada, não fiz muita questão de estar atualizada só usei a informação para ajudar na argumentação.)

Um link interessante sobre o Postal Dude : pt.m.wikipedia.org/wiki/Postal_Dude

Nenhum comentário:

Postar um comentário