sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Sol - parte 7

  Aquela luz intensa que não o deixava dormir, as sirenes que eram acionadas toda vez que ele quase dormia e os choques que levava toda vez que falava. Totalmente destruido de todas as formas possíveis, Leo se entrega e promete ser o escravo deles. Ele é levado por dois homens fortes e sarados com um corpo que deixaria qualquer moça com falta de ar. Eles arrastaram Leo até lá. De forma assustadora Leo não parava de repetir "Sou seu escravo agora, o que quer que eu faça, mestre ?".
  A doutora que se chamava Rose, que tinha um cabelo até os ombros, com uma franja nos olhos, cabelos e olhos castanhos, com um corpo sexy que ficava mais sexy naquela camisa com jaleco e shorts. Ela disse "Tudo bem, pode parar com isso. Eles estavam te transformando em cidadão dessa nação . Com pessoas comuns eles geralmente fazem a mesma coisa, só que com a escola, as famílias, a sociedade, as regras e coisas assim. A tv e a internet vem sendo ótimas ferramentas de manipulação. Com a tv mostramos com exemplos criados por nós como um cidadão deve ser. Submisso, obediente, bonito, amante do estado e um cérebro de nada. Na internet enchemos de filtros e só sabem o que queremos que saibam, nada mais. Algumas pessoas, como você, não caem nessa. Por isso tentamos censurar e modificar alguns livros. Às vezes funciona, outras temos que intervir assim. Com drogas pesadas e porrada. Assim lavamos sua mente e o fazemos escravo."
E Leo surpreso "Por que você me diria coisas assim ?" E Rose responde "Porque preciso te tirar daqui e sou a única capaz." Leo ri e ela continua falando "Pode ir parando de rir . Entrei aqui pela porta da frente com um identidade original e não usei nada para entrar aqui." O rosto de Leo fica sério e ele "Não vai me dizer que você é uma cidadã exemplar e por causa disso está nesse nível. " E Rose o esclarece ",Não, é que tenho e sei coisas que faria esse governo e toda sua estrutura cair em segundos. Além do meu total controle sob 95% de todas as armas químicas, biológicas e nucleares. Consegui isso através de chantagem...Mário Luto irá renunciar sob ameaça de morte e irá convocar novas eleições. " Leo "Como irá fazer isso ?" Rose "Temos nossos aliados." Leo "Ok, então". Rose "Sabe, eu conheci Sol. Eu e ela chegamos a namorar um tempo. Ela não falava de você. Ficava sussurando seu nome enquanto dormia. Um dia perguntei sobre você à ela e ela sorriu e se entusiasmou e ficou falando por horas de você. Depois de uns meses nós vimos que não éramos assim tão "compatíveis".  Ainda somos amigas, talvez o que eu esteja fazendo seja uma forma de agradecimento por tudo que ela fez por mim." Leo "Ela ficou bem ? E você, como ficou ?" Rose "Ela sentiu sua falta, e ficou te procurando...agora achou depois que achou a Gabriela no acampamento. Eu fiquei bem, encontrei um velho amor no nordeste do antigo Brasil. Nos amamos muito. E ele vai se candidatar à presidência, estamos tentando fazer uma revolução. Sabe, só um passatempo.....O que acha de irmos lindão ?" Leo tudo bem. Rose o prende e diz "Já volto...."
Como ele achava aquela sala estranha, o forro almofado de cor verde militar, com um espelho que provavelmente era um daqueles que alguém via do outro lado, uma câmera cor-de-rosa num canto do teto, a mesa metálica e a cadeira altamente confortável azul escuro. Quando se está só e apenas se tem o silêncio absoluto como companhia, tudo faz sentido. Cada situação lembrada tem sua real importância revelada : nenhuma.
A porta se abre e Rose, entra com duas maletas e junto à ela entra um rapaz baixinho e gordo com um bigode nazista. Ele usava um short branco, com uma camisa vermelha e com um casaco azul. Ele chegou logo se apresentando com um sotaque francês "Oi, eu sou Jair Frank e sou o avaliador de escravos." Se aproxima de Leo "Que belo espécime temos aqui, com certeza vai custar muito caro, queridinha." Rose "Tudo bem, dinheiro não é problema." Jair "Mas afinal, que tipo de escravo quer que ele seja ? Doméstico ? Operário ?" Rose "Sexual." Jair "Olhando assim " começa a cutucar, acariciar, etc o Leo "Ele me parece perfeito. Quanto está disposta à pagar ?" Rose "1 bilhão de dólares, 200 milhões de reais, 5 bilhões de euros, 100 mil bitcoins, uma reserva de ouro com toneladas de ouro..." Jair "Parece que você quer ele mesmo, porém não quero os reais, os euros ou os bitcoins, eu quero ouro, melhor diamantes. Você não teria diamantes ?" Rose "Não, mas posso te compensar " Ela abre o jaleco. E jair "Não como dessa fruta, querida." Rose "Quem disse que sou essa fruta  ?" Jair aperta nas partes íntimas inferiores de Rose e conclui "Você é um anjo. Meio homem,meio mulher, o sexo perfeito na minha opinião. A união perfeita entre o masculino e o feminino. Pode me abençoar com a sua graça meu doce anjo ?" Rose "Só se deixar o escravo sair de graça." Jair "Tudo bem" Jair começara a tirar as roupas, quando Rose acerta uma faca na sua cabeça e ele cai duro no chão. Rose "Tarado".
  Ela abre as duas maletas e nelas haviam bombas que ela arma. Rapidamente ela tira as algemas de Leo e diz "Vamos !! Quero que me ouça e obedeça tudo o que eu falar !!! Perguntas depois da fuga." Leo "Ok." Ela pega na mão dele e o puxa para sair dali. Já no corredor das celas brancas, ela diz "Vamos andando, me matar ou tentar isso é crime federal, eles não podem fazer nada. As armas só atiram em criminosos, e eu não sou. Quem está perto de mim ganha a mesma proteção." Eles continuam caminhando até o final do corredor. Lá havia uma guarita altamente armada, do qual fez reverência quando Rose passava. Ela disse à eles "Eu não gostei do prédio, a decoração não agradou e por isso vou demolir tudo. Aconselho vocês avisarem seus amigos e correrem."
  Eles continuam até o elevador.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário