domingo, 22 de setembro de 2013

Relato 051 : A vida é a mesma e você não

  Não sei se é culpa da chuva(22/09), mas ando muito melancólica. Fico como uma pessoa de 100 anos relembrando nostalgicamente os últimos 10 anos. Eu lembro que eu passava da daquela fase de ser feliz na infância. Talvez porque eu me visse sozinha. O que para uma criança não é legal. Passava o dia tentando me distrair com video-games, brinquedos e raros passeios de bike. Quanto a saber ser diferente, eu tinha medo de revelar por medo dos outros, do que poderiam fazer. E de novo o medo de ficar sozinha, me odiarem por aquilo. Aliás, lembro muito bem do medo que tinha dos outros. "Para não parecer gay", eu tentava moldar uma personalidade que fosse do "filho perfeito". Sou como Jesus. Transformo água em vinho (com um tang né rsrse). Mas enfim, era inteligente, educada, "feliz", cristã (fingia pra não apanhar), enfim, eu era Jesus. Um exemplo a ser seguido. Nada mais... Só que tudo era e ainda é, uma fachada. Para não descobrirem quem sou, pois tenho medo do que podem fazer. Nem tenho mais medo de ficar sozinha (talvez).
  Já aceito o fato de que vou ficar um bom tempo sem falar com meus pais depois que contar, que eles praticamente vão ter morrido pra mim e vice-versa. O que me irrita nisso é que tenho família, e não vou ter, porque eles não conseguem lidar com seus preconceitos. Isso demonstra que sou mais adulta que eles, já que se entregar tão facilmente à medos é infantil. Eu tenho alguns, mas diferente deles tento trabalha-los. Outra coisa que é muito ruim é que não tenho pra onde ir. Bem, eu tenho, mas é necessário dinheiro, que não tenho. Afinal, meus pais são os que me sustentam. Com certeza, sou capaz de atingir uma independência financeira. Ai sim, vou poder ir pra onde quero. Mas instantâneo, não vou conseguir tal,liberdade. Tudo o que quero é ser livre nada mais. Sei que é muito...Ainda posso construir uma família.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário