segunda-feira, 10 de junho de 2013

Relato 021: Lembranças

  Eu lembro quando era uma criança que não dava trabalho, era muito submissa, divinamente inocente e profundamente triste. Eu era tudo o que os outros queriam, eu fazia tudo o que os outros queriam, eu era apenas quem fazia por fazer. Quantas coisas deixei de fazer pelos outros e o oposto não acontecia, quantos ajudei sem eles me agradecer, quantos... Lembro também como eu tinha amigos falsos, que só queriam brincar comigo por causa dos meus brinquedos e porque não tinham ninguém para brincar, advinha quem era a última opção. O fato é : tive uma infância solitária. Aí uma pergunta surge : "Você não tinha um irmão?" Sim eu tenho, mas sempre foi o favorito dos pais.
  Se eu pudesse voltar no tempo e poder dizer para aquela criatura, focar em fazer o que realmente ama era o melhor a fazer. Isso é impossível, eu acho. Eu ainda lembro muito bem, daqueles momentos em que praticamente fazia um filme com meus bonecos de plástico. Um deles era o herói e outro um grande vilão. Eu achava besteira fazer eles brigar sem motivo, da mesma forma odiava a forma que as minhas sobrinhas brincavam de boneca, as fazendo ser umas loucas consumistas e vazias. Não acho que é loucura minha dizer que se tornaram aquelas bonecas de plástico e da mesma forma quase me tornei mais uma tornei mais um boneco que tinha que ser bom ou mal.
  Ainda bem que faço perguntas, ainda bem que sou assim, porque senão eu sofria mais. Meu pai sempre dizia que eu era feliz e não sabia, talvez não por completo, já que eu omitia alguns detalhes para o mundo como ser bi, e por não ter muitos ou nenhum amigo naquela época. Crianças não gostam de se sentir sozinhas e nem mentir, eu era feliz? Tudo isso é passado, já passou, então, tá tudo bem? Hoje, a minha mentira é apenas uma questão de sobrevivência, antes eu mentia por medo. Se um dia meus pais (os únicos que me importo na minha família) chegarem me dizendo " Filho, eu sei que você é bi. É verdade?", eu iria responder timidamente "Sim". Enquanto isso não acontece, vou tentar me melhorar, isto é começar a estudar, tocar mais violão, me cuidar mais esteticamente e fisicamente, me preparar para esse mundo selvagem, me tornar uma sobrevivente e vivente disso tudo. O passado é apenas um lembrete para não cometermos os mesmos erros de novo, o meu erro foi ter esquecido de mim mesma e não ter procurado a minha felicidade, não quero cometer esses erros de novo e também não me arrependo. Já ouvi na igreja " Se arrependa dos seus erros" e como isso atrapalha, faz a pessoa remoer o passado, o fazendo presente e advinha: ela fica tentando compensar o passado no presente, ou seja, vivendo no passado. Temos que seguir em frente, não existe máquina do tempo, só é possível viver sem arrependimentos aprendendo com os erros. Quanto ao futuro? O que reserva? Eu não sei e duvido que você saiba também. Quem faz a própria história é quem tem coragem de viver e procurar a felicidade, do contrário, o máximo que vai conseguir é uns segundos mínimos disso, porque vai ter um emprego que odeia, um(a) parceiro(a) que você nem ama e ainda vai conseguir piorar.
  Não faça muitos planos para o futuro, apenas tenha o foco no que ama, afinal o sentido da vida é o prazer. Isso tudo só te trará boas lembranças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário