domingo, 30 de junho de 2013

O mundo do 21

  Que mundo vivemos não? Pessoas morrem o tempo todo, carros explodem, elefantes são atropelados, pessoas são estupradas e sem contar outras milhares e milhares de outras coisas insanas e até surreais que acontece a cada dia. Antes eu até me importava, pensava em formas de mudar o mundo para melhor. Ainda lembro de uma redação minha em que eu dizia que queria inventar uma máquina que controlasse o aquecimento global. Irônico esse meu pensamento, até onde sei quem acelerou as emissões de CO2 foram as máquinas. Hoje vivemos a era da informação, o século 21, onde crimes absurdos não podem ocorrer. Temos toda uma vida social resumida à celular, toda a vida intelectual à tv, toda a vida cultural à um livro de romance bobo e por último todas as músicas à batidas robóticas e alguns dizem umas palavras como "let's dance".
  Eu prefiria viver na idade da pedra, uma época em que ninguém tinha sequer uma capacidade mental para mentir. A língua também era boa, se dizia "eu não  gostar você" batendo na cabeça dessa pessoa com um tacape. De certo modo....os modos não mudaram tanto, não? A tecnologia sim, uma barra de ferro é mais eficaz para dizer tal coisa. Os homens não mudaram..apesar de muita gente discordar... Ainda vamos continuar morrendo graças à nossa aparência. Seja negro, apanhe por ser negro. Seja mulher, apanhe por ser mulher. Pareça gay e/ou seja e logo uma linda lâmpada será quebrada em suas costas. Exemplos existem para serem exemplares. Engraçado como isso não acontece com frequência. Não é né? Eu sei o que é : é que pessoas que não mentem (ou mentem menos) são raras. E essas raridades ou são mortas com o pretexto de serem "anormais" ou nunca se meteriam num lugar onde se comete mentiras o tempo tudo. Já pensou? Quer carne, mas lhe vendem um "troço" "verde" e saudável. Quer café com açúcar? Coloca umas gotas se um líquido que sequer é doce. O gosto é nem mesmo é doce.
  É incrível ver como algumas pessoas tem uma capacidade de destruição. Conseguem se juntar em 500 mil na presença de um político corrupto. Enquanto 300 mil no máximo justamente contra esse mesmo cara. A maioria é a maioria, todo mundo sabe do que ela é capaz. Guerras, meteoros, o fim do mundo não são coisas ruins, resolveria a crise econômica, acabaria com a corrupção, acabaria com a fome do mundo. Seria utópico... E a história se repete, graças ao povo que a desconhece. O que vai acontecer daqui para frente no futuro ? Coisas ruins. Na natureza as famílias se amavam, não por cortesia ou vaidade, mas por pura vontade de sobreviver. E assim que as coisas foram melhorando, amar a família se tornou desnecessário e é assim que hoje funcionam as famílias. Se não fosse algo cortez, até nobre, a família não existiria. O que todo mundo quer é um retrato feliz, que tenha mãe, pai e dois filhos. Dá mesma forma acontece com famílias gays, dois homens ou duas mulheres juntos sorrindo, mostrando o quanto são felizes, quando na verdade qualquer relação, importando o tipo, não é necessariamente feliz. Mas elas(es) tem que sorrir, se não a relação não tem justificativa para o resto do mundo. Se ter uma família harmônica não fosse cortez, por que políticos e celebridades adoram ostentar suas famílias funcionais ? O pobre gosta também, pois se não nunca colocaria seu filho na escola ou o colocaria numa escolinha de futebol.
  Agora vamos supor que uma professora de 4 série te faça a seguinte pergunta :

"Qual é a coisa mais importante na escola ?"

  O que você responderia ? Aprender ? Fazer novos amigos ? Nenhuma dessas jovem padauã. O diploma é mais importante. Pois nele diz que você é capaz e que entende todos aqueles conteúdos. Que você sabe o que é hipotenusa e catetos, que sabe o que é apriorismo kantiano e que entende que estatísticas são apenas estimativas. O que importa no mundo de hoje e de sempre é as aparências, ninguém liga se vive numa família que não gosta de você, o que importa é que você parece feliz e parece ter uma família feliz. Ninguém liga se você é inteligente, o que importa é parecer inteligente. Quem se importa se você segue uma religião, o que importa é que pareces íntegro. A direita política e a esquerda política ninguém não tá nem aí se você segue um ou outro, o que importa é parecer politizado. As pessoas dizem se importar, mas não, as aparências importam. Para isso que serve a moda. Para os que não conseguem ser "decentes" sozinhos. Aí o pessoal "decente" te diz "Está moda usar jaqueta jeans com shorts", e aí você usa, porque parece "decente". Uma tendência parece ser sempre seguida pela humanidade, a decadência. Sempre querem voltar aos tempos antigos, onde há um rei, o clero, os nobres, os cavaleiros e os pobres. Tentaram todo esse tempo, porém nunca conseguiram. Os avanços na humanidade se deram justamente pela insistência e teimosia de alguns indivíduos.
  Distopias como as Ray Bradbury, Aldous Huxley, George Orwell e muitos outros autores parecem tentar se realizar. Vai ser difícil não acontecer. Essas manifestações, pricipalmente as do Brasil, tinham me dado uma nova esperança. Eu pensava "Nossa, o mundo não vai ser tão ruim". Em contrapartida cada vez mais elas foram perdendo o sentido. Muitas pessoas iam para tirar fotos, para posar de politizada e que é patriota. Uma semana depois...ninguém ia porque já tinha a foto. Ou você acha que alguém iria se imprensa internacional não apoiasse. Sim, o que aconteceu foi incrível e provavelmente não vai se repetir.
  Hoje e ontem, não importa ser, mas parecer. Pois quem "é" se ferra e quem "parece" se garante. Uma escola não precisa ser uma escola, mas parecer uma. É por vivo me dizendo que minto toda a vez que vou para escola, não vou pra uma escola, mas para as ruínas dela. Acho tão otimistas aqueles filmes que moldam um fim do mundo. Hoje e sempre, o que importa numa sociedade humana nunca foi a essência, mas sim a aparência....

"O mundo é uma aposta. " Marlin Rose Jones

Nenhum comentário:

Postar um comentário